Páginas de Navegação do Menu

Agindo Como Igreja Verdadeira

Agindo Como Igreja Verdadeira

Caros leitores, hoje discorreremos nosso tema acerca de algo que presenciei. Hoje tive o desprazer de ouvir uma conversa entre cristãos a respeito da conduta de outros de suas respectivas igrejas. Confesso que fiquei atordoado e bastante irritado com o que ouvi, mas pude perceber que essa ideia vai muito além de uma simples particularidade como a de hoje. Ela está enraizada nos primórdios da história humana. Por meio desta ideia Jesus foi crucificado, os apóstolos foram espancados e mortos, muitas mulheres foram queimadas acusadas de bruxaria e milhares de “pagãos” foram mortos nas cruzadas, e foi por meio disto que Lúcifer foi lançado a terra. E o que realmente é esta venenosa praga que assola a humanidade? É a terrível tentativa de ser igual a Deus!

Talvez há alguém que pense que não é para tanto, mas tentarei mostrar que isso é algo muito sério, e foi por essa razão que Jesus veio à Terra: para nos libertar da ilusão da auto-justificação pela prática da lei e nos trazer de volta à dependência de Deus.

O objetivo do Inimigo não é fazer com que adoremos a ele para que nos afastemos de Deus. Mas sim, fazer com que a gente faça como ele fez: que adoremos a nós mesmos! Que nos preocupemos tanto com nós mesmos e encontremos tantas qualidades em nosso interior que passamos a ver todos os outros em um patamar inferior ao nosso.

E foi isso que pude “contemplar” na conversa entre os irmãos: uma extrema falta de amor e compaixão, uma insensibilidade que fazia parecer que o fardo da lei ainda estava sobre os lombos da Igreja, de tal forma que só faltavam alguns minutos de conversa para que as pedras fossem retomadas do chão para serem lançadas ao sujo pecador e sua morte fosse finalmente decretada.

Através disso pude mais uma vez ter uma lição a respeito das minhas próprias atitudes, e venho por meio deste texto fazer um convite para todos nós: que voltemos ao evangelho puro, verdadeiro e amoroso de Jesus Cristo! Um evangelho que acolhe, ajuda, perdoa, liberta e transforma constantemente os que necessitam (todos nós).

Paulo, em sua carta aos Romanos nos diz para não assumirmos o papel de juízes, mas sim que assumamos a função de acolher e ajudar a quem precisa:

“Portanto, deixemos de julgar uns aos outros. Em vez disso, façamos o propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no caminho do irmão.”   Rm 14:13

Tanto nossas reuniões quanto nossas vidas devem ser de paz e fraternidade e não de observação a comportamentos particulares, pois se feito isto, não sobrará sequer uma pessoa que seja considerada pura em relação aos demais. Pois, sabemos que todos somos pecadores e que apenas por meio de Cristo somos libertos. E foi este mesmo Cristo que disse que seu fardo é leve e seu jugo é suave.

“Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso.
Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.
Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”    Mt 11:28-30

Portanto, meu desejo é que sejamos cristãos cheios de amor e compaixão assim como foi nosso mestre. Que deixemos de lado todo nosso “orgulho gospel” e todo rótulo de auto-justificação que existe em nossas vidas para que comecemos a viver a união, o amor, a compaixão que se perpetuará com o arrebatamento da eterna e inseparável Igreja de Cristo!


Graça e Paz!

Meu desejo é ser um engenheiro, pastor e pregador abençoado e segundo o coração de Deus! Cristão desde criança, sempre buscando conhecer a Bíblia e aprender mais sobre Deus. Meu prazer sempre foi estudar a palavra de Deus e compartilhar o que aprendi. A partir disso, tive a oportunidade de ser colunista. Vi isso como uma forma de ser um instrumento de evangelização através dos meus textos. Espero que o nome de Jesus seja glorificado através do trabalho dos JOVENS EVANGÉLICOS (JE).

     
  Receba nossas novidades diretamente em seu email  
     
   
     


Comente com o Facebook

commentários



Ou use o nosso sistema padrão