Páginas de Navegação do Menu

Com quem você se parece?

Com quem você se parece?

 

16 Dize-nos pois: que te parece? É lícito pagar tributo a César ou não?

17 Jesus, porém, conhecendo-lhes a malícia, respondeu: Por que me experimentais, hipócritas?

18 Mostrai-me a moeda do tributo. Trouxeram-lhe um denário.

19 E ele lhes perguntou: De quem é esta efígie e inscrição?

20 Responderam: De César. Então, lhes disse: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.”

Deus ainda me guardou de perder um familiar muito próximo, mas já pude ver a dor que é quando se chega em casa e vê os pertences daquele que nos deixou. As sandálias, as roupas, o seu caderno, a sua cama. Isso acontece porque as coisas se parecem com seus donos, e ao vê-las, facilmente podemos nos lembrar daquela pessoa.

E é a partir disto que venho trazer esta reflexão: Com quem nos parecemos? Nos parecemos com nosso Criador? Ou estamos nos distanciando da semelhança Dele? As pessoas ao nos verem podem contemplar a justiça, o amor e a benignidade de Deus?

A Bíblia diz em I Jo 2:6 que aquele que diz que permanece nele, esse deve andar também assim como ele andou. Portanto, hoje é um dia de mudança para nossas vidas! Veremos pois, qual é o propósito de Deus para seus filhos.

Jesus é colocado “na parede” com a seguinte pergunta dos fariseus: “É lícito entregar tributos a César?” Se Jesus respondesse SIM, cairia em descrédito por seus seguidores, pois O Libertador estaria submetido ao jugo romano. Se respondesse NÃO, poderia ser preso por rebelião ao império romano. Mas Cristo surpreende a todos pedindo para que os interrogadores olhassem a aparência da moeda e o dissessem a quem pertencia. A partir disso podemos fazer uma analogia a nossas vidas, retirando do trecho algumas características de uma pessoa semelhante a Jesus:

1.      Ser marcado (v. 18): “Mostrai-me a moeda”

Podemos saber o valor de uma moeda pelas marcas feitas em seu material, e pela sua inscrição. É a partir disso que descobrimos se é um centavo brasileiro, estadunidense, e se vale 10 ou 25 centavos.

E é através disso que Paulo nos diz em Gálatas 6:17: “Sem mais, que ninguém me perturbe, pois trago em meu corpo as marcas de Jesus.”

Quantas marcas trazemos em nós por Jesus? Ou buscamos apenas um Cristianismo sociável e agradável? Será que nossa vida com Cristo é marcada por renúncia e sacrifício, ou é uma vida adaptável às nossas condições de conforto?

“Jesus dizia a todos: Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me.”Lc 9:23

2.      Ter valor (v.18): “Trouxeram-lhe um denário”

O denário era a moeda de maior circulação no império romano. Correspondia ao salário diário de um trabalhador e tinha um valor para quem a possuía, pois foi necessário um árduo dia de trabalho para conquista-la.

Tenha em mente o quanto você vale para Deus. Acaso não valemos muito mais que um denário? Ele pagou um alto preço para que hoje pudéssemos ter harmonia com Ele. Portanto, saiba que mesmo que a sociedade não reconheça o seu valor, Deus reconhece, e cuida de você todos os dias.

3.      Ser puro (v. 18):

Para que a moeda tivesse valor era necessário que seu metal passasse por um processo de purificação, onde ela era derretida e todas as suas impurezas eram removidas.

E não é diferente para o cristão. É necessário que ele passe por um processo de purificação e de renúncia de todas as suas impurezas, para que assim, ele seja moldado pelo Espírito Santo de acordo com Sua vontade.

4.      Ser diferente (v. 20): “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.”

A palavra de Deus nos diz que fomos feitos à imagem e semelhança Dele em concordância com Seu gênio glorioso. No entanto, o que nos torna diferentes é o pecado que nos separa e nos afasta de Seu propósito.

Mas Cristo nos faz um convite a despirmos do velho homem e nos parecermos com Ele!

Émile Durkheim, um dos pais da sociologia pode nos auxiliar nessa mensagem. Ele diz que a sociedade estabelece padrões para que as pessoas se tornem aceitáveis aos demais; esses padrões são conhecidos como fatos sociais, e estão presentes na moda, na economia, na educação, na religião, etc.

Porém Jesus nos diz que o que está limitado às coisas mundanas recebe também coisas mundanas, mas aquele que procura por Deus recebe as coisas de Deus!

Portanto, que sejamos diferentes do que é imposto a nós e voltemos à essência da adoração. Pois não ansiamos agradar a homens, mas sim, a Deus. Não importa o que os fatos sociais nos impõe para fazermos, viveremos sempre, guiados pelo Espírito.

“O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito.” Jo 3:8

Seja livre!

Graça e Paz!

Meu desejo é ser um engenheiro, pastor e pregador abençoado e segundo o coração de Deus! Cristão desde criança, sempre buscando conhecer a Bíblia e aprender mais sobre Deus. Meu prazer sempre foi estudar a palavra de Deus e compartilhar o que aprendi. A partir disso, tive a oportunidade de ser colunista. Vi isso como uma forma de ser um instrumento de evangelização através dos meus textos. Espero que o nome de Jesus seja glorificado através do trabalho dos JOVENS EVANGÉLICOS (JE).

     
  Receba nossas novidades diretamente em seu email  
     
   
     


Comente com o Facebook

commentários



Ou use o nosso sistema padrão


  • Denis de Moraes

    Não consigo nem raciocinar sobre este texto…estou meditando. Demais…não consigo parar de chorar! Parabéns Jonatas por ter sido usado e sido canal em minha vida neste momento. Amém!?

    • Jonatas Rosa

      Amém, irmão!
      É o Espírito Santo que nos dá a mensagem e é o mesmo que te toca!
      Que o Senhor te dê a sensibilidade do Seu mover sempre!

      Deus o abençoe, Denis!

  • Barbara Pereira

    Muito bom! Precisamos refletir diariamente sobre o que nos importa de fato, como cristãos. Muito edificante! Deus o abençoe!